Seguidores amigos

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

A tal da fonte Q

A TAL DA FONTE Q

Por Renata Brandão

O documento Q ou fonte Q veio originalmente das palavras Quelle ou Qvelle que significa “fonte” em alemão.
Primeira letra das palavras supracitadas, escolhida por estudiosos dos Evangelhos Sinópticos e precursores desta teoria, os biblistas J. Howkins e A. Harnack, que acreditavam na hipótese de duas fontes de pesquisas: O Evangelho de Marcos e uma outra fonte.
A fim de explicar a teoria hipotética de que Mateus e Lucas, além de pesquisarem no Evangelho de Marcos para escreverem seus respectivos escritos, também se valeram de uma segunda fonte de pesquisa, denominando assim a tal da fonte Q.
Segundo esses estudiosos, os primeiros seguidores de Jesus Cristo, que não eram conhecidos como cristãos e sim pela antonomásia “o povo de Deus”, pensaram em organizar as sentenças do seu Mestre num manual, desejando que este não se perdesse com o tempo e pudesse oferecer futuramente, a título de consulta, sábias instruções para o bem viver.
Esta fonte Q teria servido de base para a escrita dos evangelhos sinópticos e alguns livros apócrifos.
Por se tratar de uma tradição oral e escrita, passada de geração a geração, esta coleção de ditos de Jesus Cristo teria sido difundida amplamente no mundo cristão na primeira metade do século I. Contudo, este manual se perdera em algum momento da história.
Sendo assim, tornou-se praticamente impossível a comprovação da existência deste manual ou fonte Q quanto mais desta teoria. Visto que nenhum autor da antiguidade jamais a ela tenha se referido e sequer qualquer fragmento seu tenha sido encontrado, seja por escavações arqueológicas ou livrarias antigas.

Abraços em Cristo Jesus.

domingo, 18 de julho de 2010

Interjeições


O que é Interjeição?


É a palavra que expressa emoções, apelos, sensações ou estados de espírito.
A Interjeição equivale a uma frase, pois sintetiza aquilo que só um enunciado composto pode traduzir. Geralmente vem seguida por um ponto de exclamação (!):

Ah!
Uh!
Psiu!

Seu significado nos será revelado, dependendo do contexto ou da forma como é empregada na hora da entonação. A mesma interjeição pode corresponder a vários sentimentos, até mesmo opostos.

Vejamos alguns exemplos:

Ah! Que bom que eu te encontrei! (Alegria)
Ah! Que raiva! (Aborrecimento)
Ah! (Surpresa)  

Quando duas ou mais palavras desempenham, juntas, o papel de interjeição, são chamadas de locuções interjetivas.

Aqui estão algumas delas:

Santo Deus! Ai de mim! Valha-me Deus!
Muito obrigado! Muito bem!
Pobre de mim! Que raios te partam! Puxa vida!
Alto lá! Macacos me mordam!

Mais interjeições e locuções interjetivas:

Advertência: Cuidado! Olhe! Atenção! Fogo! Olha lá! Calma! Devagar! Sentido!
Agradecimento: Obrigado! Grato! Valeu!
Alegria: Ah! Eh! Oh! Oba! Viva! Eta!
Alívio: Ufa! Ah! Puxa!
Ânimo: Coragem! Força! Ânimo! Avante! Eia! Vamos!
Apelo ou chamamento: Socorro! Ei! Ô! Alô! Psiu! Olá! Eh! Psit! Ô! Misericórdia!
Aplauso: Muito bem! Bravo! Bis! É isso aí! Parabéns! Boa! Apoiado! Ótimo!
Aversão ou contrariedade: Droga! Porcaria! Credo!
Desejo: Oxalá! Tomara! Quisera! Queira Deus! Quem me dera!
Dor, arrependimento, desespero: Ai! Ui! Ah! Oh! Meu Deus! Que pena!
Espanto, surpresa: Oh! Puxa! Quê! Nossa! Nossa mãe! Virgem! Caramba!
Reprovação: Bah! Ora! Ora, bolas! Só faltava essa! Buh! Não apoiado! Fora!
Satisfação: Viva! Oba! Boa! Bem! Bom! Upa! Ah!
Silêncio ou imposição de silêncio: Silêncio, Psiu! Bico calado! Cala a boca!
Medo, terror: Oh! Credo! Cruzes! Ui! Uh! Jesus!
Admiração, surpresa: Ah! Oh! Eêh! Ué! Puxa! Céus! Nossa!
Atendimento, confirmação: Pronto! Claro! Pois não!
Afugentamento: Fora! Passa! Rua! Sai! Arreda! Xô!
Concordância: Claro! Certo! Sem dúvida! Ótimo! Ok!
Desacordo: Que esperança! Qual! Qual o quê! Pois sim!
Desculpa: Perdão! Opa! Desculpa!
Desagrado: Ora bolas! Que droga!  Francamente!
Dúvida, ironia: Hum! Ué! Êpa! Ah!
Despedida: Adeus! Até Logo! Tchau! Até!
Impaciência: Irra! Hum! Arre! Puxa!
Indignação: Chega! Fora! Morra! Abaixo! Irra!
Pena: Coitado! Oh! Pobre coitado! Que pena!
Saudação: Salve! Ave! Viva!
Socorro: Socorro! Acuda! Ajuda! Valha-me Deus!
Aclamação: Viva! Bravo!
Lástima: Ai de mim! Puxa vida!
Aborrecimento: Puxa vida! Ora bolas!
Despedida: Adeus! Até logo! Tchau!
 
Atividades:

01)  Crie frases com as seguintes interjeições:

a)      Claro!
__________________________________________________

b)      Caramba!
__________________________________________________

c)      Ótimo!
__________________________________________________

d)      Coitado!
___________________________________________________

02)  Relacione as interjeições aos sentimentos que expressam:

( 1 ) Oba! Viva!                                 (    )Desculpa
( 2 ) Perdão! Desculpa!                     (    ) Aplauso
( 3 ) Bis! Bravo!                                (    ) Medo
( 4 ) Ai! Cruzes!                                 (    ) Alegria

03)  Assinale as interjeições mais adequadas para as ilustrações:



a)                                                                                                  
(     ) Psiu!    (     )  Cuidado!                  














b) (    ) Hum!   (    ) Oba!

04)  Siga o modelo e coloque as frases na forma imperativa. (Modo de verbo que indica uma ordem ou pedido):

a)      Socorro/ vir aqui > Socorro! Venha aqui!
b)      Bravo/ continuar sempre assim >_____________________________________
c)      Coragem/ não desanime > __________________________________________
d)      Ei/ levar isso embora >_____________________________________________
e)      Oh/ vir ver que bonito > ____________________________________________

Ideia para atividade em sala de aula:

Faça o seguinte jogo: Caçando Interjeições

1) Utilizando o Word, copie imagens no tamanho de 10X15 cm que definam bem algumas das interjeições estudadas.
2) Digite as interjeições e disponha em caixas de texto do mesmo tamanho.
3) Corte-os
3) Cole em papel cartão, cartolina ou no material que preferir.
4) Distribua a cada duas fileiras de maneira aleatória.
5) Peça a seus alunos que encontrem a figura correspondente.
6) Ao término, peça que façam um fila e veja se  se correspondem. Em caso afirmativo, dê brindes, caso contrário; dê mais uma oportunidade para que acertarem.




A Parábola do Joio




(Mateus 13: 24-30)

24. Propôs-lhes outra parábola, dizendo: O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia a boa semente no seu campo;
25. Mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e, semeou joio no meio do trigo, e retirou-se.
26. E, quando a erva cresceu e frutificou, apareceu também o joio.
27. E os servos do pai de família, indo ter com ele, disseram-lhe: Senhor, não semeaste tu, no teu campo, boa semente? Por que tem, então, joio?
28. E ele lhes disse: Um inimigo é quem fez isso. E os servos lhes disseram: Queres pois que vamos arrancá-lo?
29. Ele, porém, lhes disse: Não; para que, ao colher o joio, não arranqueis também o trigo com ele.
30. Deixai crescer ambos juntos até à ceifa; e, por ocasião da ceifa, direi aos ceifeiros: Colhei primeiro o joio, e atai-o em molhos para o queimar; mas, o trigo, ajuntai-o no meu celeiro. 


Jesus um pouco mais adiante nos ensina que o campo é o mundo (Mt 13:38). E no mundo, os servos de Deus (Trigo) convivem com pecadores (Joio).
Contudo, a vontade soberana do Senhor é salvar a todos (1ª Tm. 2:3-6) e do inimigo é matá-los antes que tenham oportunidade de conhecer a Deus.
Ainda há tempo para ganharmos o mundo (Joio) para Jesus Cristo e através da fé e do poder do  Espírito Santo de Deus serem transformados em Trigo. Aqueles que não O aceitarem ou não se firmarem, o próprio Deus os julgará! (1ª Coríntios 5:13).
Mas, quando o Joio se faz presente no corpo de Cristo, na noiva do Senhor, na igreja; a situação requer uma atitude diferente. 
O joio neste caso, precisa ser imediatamente arrancado para que não traga problemas posteriores à congregação (1ª Coríntios 5:3-5,7,11).
Jesus Cristo, critica gravemente a igreja em Tiatira por tolerar pecadores como Jezabel (Ap. 2:20)  e podemos rever novamente o conceito entre o tratamente correto entre a igreja e o mundo em 1ª Co 5: 13. 


"Os de fora, porém, Deus os julgará. Expulsai, pois, de entre vós o malfeitor"



Mas sabemos realmente quem é  Joio e quem é  trigo?
Como discernir ambos?

Aprendendo, primeiro, que para discernir o que é espiritual do que não é, precisamos orar assim como em Cl 1:9 e em Ef 1:17, pedindo a Deus que nos encha com o conhecimento de sua vontade e com toda a sabedoria, revelação e compreensão que o Espírito de Deus dá.
 
Segundo: amando mais as coisas de Deus e rejeitando totalmente o que é do mundo. 

Terceiro: Tornar-se um apaixonado pelas Escrituras Sagradas. Estudá-la de dia e de noite. Fortalecer-se através da Palavra do Senhor.
 
Quarto: esvaziando-se de si mesmo e enchendo-se de maneira transbordante com o Espírito Santo de Deus (1ª Co 2:15 e At 1:8).

Quinto: Tendo a mente do Senhor Jesus Cristo (1ª Co 2:16)

Sexto: Cuidando uns dos outros para que não sejamos tratados ou confundidos como joio. 
(Mt. 13: 49 e 50).

Sétimo: Tendo a consciência de que Jesus Cristo é a pedra fundamental da nossa vida cristã e somente por meio dEle não seremos confundidos. (Salmos 34:5) "Olhai para ele, e sede iluminados; e os vossos rostos jamais serão confundidos". 

Assim sendo, aprenderemos que a nossa fé e todo discernimento apoiar-se-ão no poder de Deus pois: " a unção que vós recebestes d'Ele, fica em vós, e não tendes necessidade de que algum vos ensine, mas como a sua unção vos ensina todas as coisas, e é verdadeira, e não é mentira, como ela vos ensinou, assim nele permanecereis". (1ª Jo 2:27).

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Qual é o plano de Deus para a sua vida?


Já se perguntaram qual é o plano de Deus
para a sua vida?
 
Deus tem um plano perfeito para cada um de nós. 


Plano este que nos levará ao êxito. Seja ele familiar, educacional, profissional, financeiro, espiritual etc.


O Plano do Senhor sempre é seguido de vocação e por ela é confirmado. A nossa vocação sempre corresponde ao Plano de Deus para nossa vida e a ele deve ser atrelado.


O apóstolo dos gentios, Paulo, escreveu há mais de vinte séculos,  que cada um ficasse na vocação em que foi chamado.


Para que você foi chamado? Qual é o seu talento? Que dom você possui?


Não podemos mentir para nós mesmos!


Qual é verdadeiramente sua vocação?


Deus nos conhece intimamente.


Ele nos orienta e capacita.



Se ainda não sabe, entre em oração e peça que o Pai Celestial revele-a para você.  


Se souber exatamente qual é a sua verdadeira vocação e já teve a sua confirmação, está na hora de aperfeiçoá-la!   


Contudo, não nos esqueçamos da 1ª vocação: 


Da santidade, da íntima união com Deus, crermos em Jesus Cristo e que somos herdeiros das promessas e das bênçãos de Deus.


Pois, sem elas; todas as outras formas vocacionais seriam estéreis.



Abraços em Cristo Jesus.  


  

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Estudos Bíblicos


Pessoal, para quem quer estudar e se aprofundar ainda mais na Bíblia Sagrada, com professores de renome como Dennis Allan, basta clicar no link a seguir e fazer sua inscrição. É totalmente grátis. Você poderá baixar apostilas, aulas em audio etc.

http://www.estudosdabiblia.net

Abraços em Cristo Jesus e bons estudos!

quarta-feira, 2 de junho de 2010

O vagalume e a serpente


O vagalume e a serpente
(Adaptação de Renata Brandão)


Um vagalume voava tranquilamente pela floresta admirando sua fauna e sua flora.
Ele sempre percorria o mesmo caminho para chegar até a sua casa, mas certo dia, quando estava praticamente na metade do percurso, notou a presença de algum outro animal perseguindo-o, de forma sorrateira, por entre as folhagens.
Apesar de seu pequenino tamanho, voou o mais rápido que pode. Em meio à fuga, deu uma boa olhada para trás e descobriu que seu perseguidor era uma gigantesca serpente.
Quanto mais rápido o vagalume voava, mas rápido a serpente o perseguia.
O pobre do vagalume suava e se esforçava ao máximo para sobreviver a esta perseguição sem sentido. Desviava dos obstáculos que se impunham à sua frente com tamanha destreza e bravura, mas a serpente ainda estava na sua cola.
Cansado de ser perseguido, o vagalumezinho percebeu que não havia motivos da serpente persegui-lo, já que não havia feito nenhum mal a ela e nem pertencer a sua cadeia alimentar. Corajosamente, com suas forças praticamente esgotadas, resolve enfrentá-la face a face.
E antes que a serpente se preparasse para dar o bote, ele querendo saber o verdadeiro motivo de tamanha perseguição. Diz:
— Por que me persegues?
A serpente demonstrando total desprezo por sua vida e um olhar encolerizado por tanta inveja  lhe responde:
— Simplesmente porque odeio quem possui luz própria.
E imediatamente deu o bote. No entanto, o intrépido vagalume esquivou-se a tempo e apagando seu brilho por alguns instantes conseguiu escapar ileso.

Moral da História:

Há pessoas que, simplesmente, não suportam ver os outros brilharem.

Análise:

O dicionário define inveja como: “desgosto ou pesar pelo bem ou felicidade de outra pessoa, desejo  violento  de  possuir  o  bem alheio, cobiçar  o que é dos outros”.

Irmãos, na trajetória da nossa vida, encontramos muitos vagalumes e inúmeras serpentes.
A inveja deixa o ser humano ressentido diante do sucesso de outras pessoas e o mantém físico, emocional e espiritualmente doente.
Os psicólogos dizem que a inveja atrai outros sentimentos negativistas como a raiva, o ódio, a auto-piedade, a culpa, a vingança, a inferioridade, o orgulho, o medo e a ansiedade. 
Porém em Gálatas 5: 26 diz: “Não sejamos cobiçosos de vanglórias, irritando-nos uns aos outros, invejando-nos uns aos outros”.

O melhor mesmo seria que todos os cristãos fossem maduros o suficiente para: “ ... alegrarem-se com os que se alegram”. (Rm 12: 15) 


Se você age como o vagalume e ainda não percebeu que despertou inveja, que é um sentimento de extrema fraqueza humana, em seu semelhante, basta analisar a situação que está vivendo em seu ambiente familiar, profissional ou até mesmo de descontração.
Procure atentar se há sentimento de perseguição, injustiça ou se foi prejudicado por alguém ultimamente. Em caso afirmativo, aja tal qual o vagalume da parábola acima, ou seja; encubra o seu brilho próprio ou apague-o por determinado tempo de forma que você possa chegar ao seu destino/objetivo em segurança. E no momento mais oportuno, com força total, libere toda a sua competência, criatividade, garra, dinamismo... No momento certo, deixe a sua luz brilhar com tamanha intensidade e verá que valeu a pena esperar para aparecer!
Agora, se por algum acaso, você estiver agindo como a serpente, aí sim é que mora o perigo porque o problema é bem maior.
Veja, quando tomamos a direção contrária deste sentimento impuro, da perseguição, da injustiça, da inveja e do rancor, só precipitamos a nossa própria queda. Eles nublam nossos semblantes e são causadores de inúmeros males e da maioria das desgraças da humanidade.

Por inveja:

·        Caim matou a seu irmão Abel (Gn 4: 2-8);

·        José foi vendido como escravo por seus irmãos (Gn 37: 2; 11-28);

·        Outro caso trágico está no 1º livro de Reis 3: 16-28, onde Salomão julga, sabiamente,  a causa de duas prostitutas. Uma delas, ao dormir, asfixia o próprio filho à noite e troca a criança morta pelo filho da outra prostituta que dormia;

·        O próprio Jesus Cristo foi vítima da inveja do líder dos judeus (Mt. 27: 18);

A Bíblia, através das sábias palavras do rei Salomão nos adverte em Pv 14:30 que ... a inveja é a podridão de nossos ossos”. 

Contudo saiba que ainda há cura para acabar de vez com esta praga maligna em sua vida. E para se livrar de uma vez por todas deste sentimento, basta seguir os seis passos abaixo:

1)                            Reconheça-A: O primeiro passo é reconhecê-la. Agimos como o vagalume, ou seja; brilhamos inconscientemente ou de propósito. Provocamos a ira em nossos irmãos, nos amostramos porque queremos passar uma imagem de qualificação superior, ou agimos tal qual a serpente e não permitimos, no fundo de nosso âmago, que outras pessoas sejam melhores do que nós.

2)                            Não a alimente! : mas a cobiça nem se quer se nomeie entre vós como  convém a santos”(Ef 5:3). Procure ter mais sabedoria ao contar para alguém sobre alguma bênção recebida.


3)                            Confesse a Deus: O Senhor fala que se orarmos e nos convertermos de nossos maus caminhos ele ouvirá as nossas preces

4)                            Liberte-se e seja salvo: “Portanto, abandonem tudo o que é mau, toda mentira, fingimento, inveja e críticas injustas. Sejam como criancinhas recém-nascidas, desejando sempre o puro leite espiritual, para que, bebendo dele, vocês possam crescer e ser salvos”. (1ª Pe 2: 1e 2).

5)                            PERDOE: Perdoe aqueles que por algum motivo o invejam. Faça como o apóstolo Paulo em 1ª Coríntios 1: 10- 12 e aprenda com o maior de todos os mestre, com Jesus Cristo, que perdoou aos que o invejavam e até aos que o  traíram (Jo 13:15 – 16). 

6)                            ORE: Ore constantemente por aqueles que de alguma forma você sinta possui este sentimento de inveja. Confie e tenha fé porque Deus pode mudar até o coração mais duro, invejoso  e maldoso (Lc 6: 28).


  * O texto foi produzido por Renata Brandão. Proibida a reprodução total ou parcial sob qualquer forma, meio ou idioma, no Brasil ou Exterior, sem prévia autorização do autor. Sujeitos às penalidades previstas por praticar plágio. 

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Qual é a sua marca registrada?

Todos deixamos algo importante por onde passamos.


Que marca você deixa nas pessoas?
Responda-me: A da simpatia, da virtude, da alegria, da sinceridade, da amizade...
Podem ser sinceros, pois para melhorarmos como seres humanos precisamos saber a verdadeira impressão que os outros têm de nós mesmos.
Porque as vezes achamos que somos uma coisa e demonstramos ser outra.
Contudo, nenhuma é tão importante quanto a impressão que Deus tem de nós.
Ele sim, que verdadeiramente nos conhece tanto em pensamentos, emoções, em secreto.
Deus nos ama como somos e quer nos ver felizes! Mas só há verdadeiramente alegria, amizade, segurança, etc. quando cremos na Tri-unidade.
Tri-unidade: Pai, Filho e Espírito Santo.
E quando cremos nisto, Deus muda toda a nossa história, futuro, família, e marca a nossa geração!

Porque fomos comprados com alto preço e se crermos com todas as nossas forças, somos transformados completamente de dentro para fora.
E gradativamente modificamos tudo e todos ao nosso redor a partir de nossas novas e nobres atitudes!
Basta permitir que Deus aja em sua vida com o Seu imenso amor. E todos serão imediatamente impactados pelo mesmo poder.
Um mundo melhor é utopia para aqueles que não creem, mas através da fé você pode ver e viver neste maravilhoso lugar. 



Abraços em Cristo Jesus.

quarta-feira, 28 de abril de 2010

Changing the world


Um cientista político vivia preocupado com os problemas do mundo e estava resolvido a encontrar meios para melhorá-los. Passava dias em seu escritório buscando respostas para os seus questionamentos.
Certo dia, seu filho de sete anos invadiu seu ambiente de trabalho e pesquisa, decidido a ajudá-lo a consertar o mundo. Impaciente pela interrupção, tentou fazer com que seu filho fosse brincar em outro lugar, mas sabemos o quanto às crianças são insistentes quando querem.
Então, vendo que isso seria impossível, o cientista resolveu dar-lhe algo que pudesse oferecê-lo uma boa distração. Assim, seu filho ficaria distraído em sua tarefa e ainda sentiria um imenso prazer em ajudar a seu pai.
Olhou e procurou algo interessante por todo lugar, até que de repente deparou-se com uma antiga revista científica, guardada numa das gavetas de sua escrivaninha. Nela, continha o desenho do mapa Mundi na capa. Ele sorriu meio de lado e lembrando-se do professor Pardal, da revista do Tio Patinhas, bolou uma incrível, mas simples atividade para o seu filho.
Resolveu recortá-la em pedaços bem pequenininhos, em forma de um quebra-cabeça. Pensou consigo mesmo:
- Meu filho levará muito tempo para montá-lo e me deixará trabalhar em paz durante um bom tempo...
Com muito cuidado os entregou a seu filho, juntamente com um rolo de fita adesiva dizendo:
- Se você quer me ajudar, aqui está um grande desafio! Você gosta de quebra-cabeças?
O menino fez um sinal de assentimento com a cabeça.
O pai continuou:
- Então vou lhe dar o mundo para consertar. Aqui está o mundo todo quebrado. Veja se consegue consertá-lo bem direitinho! Faça tudo sozinho.
O cientista calculou que a criança levaria dias para recompor o mapa. E nem percebeu o brilho no olhar de seu filho, tamanha foi à importância daquele desafio para ele. Afinal, ele, um pequeno menino, ajudaria a seu pai, um grande e renomado cientista político a consertar o mundo.
O menino deitou-se no chão para ficar mais próximo de seu pai e examinava peça por peça atenciosamente.
Vez ou outra o pai observava o menino em sua atividade no chão e sorria, mas acabou distraindo-se em suas pesquisas e leituras.
Passadas algumas horas, ouviu a voz do filho dizendo em meio à euforia que tinha terminado de consertar o mundo:
- Pai! Pai! Consegui, papai! Consertei o mundo para o senhor!
Não é possível! (O pai respondeu, sem nem olhar para o papel).
- Você deve ter feito algo errado!
O cientista político não dera crédito às palavras do filho, pois seria impossível uma criança de sua idade ter conseguido recompor um mapa que jamais havia visto. Mas tamanha era a alegria do seu filho que resolveu verificar se ele realmente tinha conseguido e grande foi a sua surpresa.
Não é que o mapa Mundi realmente estava completo. Todos os pequeninos pedaços tinham sido colocados nos devidos lugares. Como seria possível? Como o menino havia sido capaz de realizar esta tarefa?
- Você não sabia como era o mundo meu filho, como conseguiu?
Daí, o menino lhe respondeu:
- Pai, eu não sabia como era o mundo, mas quando você tirou o papel da revista para recortar, eu vi que do outro lado havia a figura de um homem. Quando você me deu o mundo para consertar, eu tentei, mas não consegui. Foi aí que me lembrei da figura do homem. Então, virei os recortes e comecei a consertar o homem que eu sabia como era. Quando consegui consertar o homem e virei a folha, vi que havia consertado o mundo.
Agora que eu te ajudei a consertar o mundo, podemos brincar lá fora!
O cientista admirado e com lágrimas nos olhos, abraçou a seu filho com intensidade e disse o quanto o amava e o quanto ele havia o ajudado, deixando seu filho todo orgulhoso.
O que aconteceu?
Naquele mesmo momento, aquele grande e renomado cientista político descobriu que o problema não era o mundo em si, mas o problema do mundo éramos nós, seus habitantes.
E como desencadear a mudanças em bilhares de habitantes?
Ele descobriu de maneira muito simples.
Para desencadear uma mudança tão gigantesca, precisamos começar individualmente, em si próprio. Partindo daí, ele poderá mudar seus hábitos, suas atitudes, aprenderia a ser mais tolerante, paciente, adquiriria o dom da benevolência e do amor para com o próximo entre inúmeros outros atributos. Transformando a si mesmo, poderia ser um exemplo de vida e começaria a transformar a vida e as atitudes de sua família. O exemplo a ser dado por sua família seria visto de forma atrativa para com a sua comunidade e talvez os contagiasse. E gradativamente, seu bairro, sua cidade, seu país, e inclusive; o mundo inteiro, mudaria.
Começando com pequenos gestos, grandes atitudes seriam tomadas!!!
Um planeta inteiro viveria o sonho, hoje utópico, mas quem sabe amanhã; real.


Renata Brandão

*Todos os direitos reservados ao autor.


Jesus te ama e eu também!

Jesus te ama e eu também!

Em qual posição você se encontra na imagem abaixo?

Em qual posição você se encontra na imagem abaixo?
No altar? Em santidade! Ajoelhado, próximo ao altar? Em santidade! Em pé na igreja? Solte a cadeira e adore! Sentado? Levante-se e adore ao Senhor! Indiferente? O joio não adora a Deus! Você acha que não está representado no desenho? Cuidado! Você pode estar do lado de fora!